sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Crise? Que crise?



                                                  Supertramp - Crise? que crise?

               Uma espécie de senso de desorientação e caos sempre aparece quando estamos prestes a fazer um novo começo. Novos começos, em verdade, são sempre precedidos por um período de caos e crise. Nestes momentos é importante procurar manter um estado de confiança e entrega, pois é a melhor maneira de nos alinharmos com o fluxo da nossa alma, de modo que a jornada se torne um pouco mais fácil para nós mesmos.

        Por vezes chega um instante em nossas vidas em que tudo o que era óbvio e seguro literalmente desaba, forçando-nos a ter que lidar com emoções e sentimentos para os quais não estamos preparados. Sempre que as coisas mudam de uma forma fundamental, é preciso que muitas coisas antigas despenquem drasticamente e de uma forma fundamental. 

      Nestes momentos, é difícil conseguir entender o que está acontecendo. Quando o novo está prestes a chegar, geralmente sempre há uma etapa difícil: a luta de morte do velho. Um instante antes do amanhecer é a hora mais escura, quando todos os velhos medos e tristezas vêm à tona para serem desintegrados.

          O certo é que quando toda essa energia negativa entra em nossa consciência, significa também que estamos suficientemente fortes para passar no teste. Porém, tudo pode parecer tão nebuloso, confuso e desorientado. Desta forma, é importante tomar o tempo e o espaço necessário para curar a si mesmo. Uma das primeiras coisas interessantes para se fazer, por exemplo, é começar a escrever absolutamente todas as mágoas e dores que passamos ou estamos passando. Escreva como se fosse entregar para Deus. Na verdade é muito difícil olhar para sua própria escuridão sozinho. É preciso dividir a carga. Se não for com Deus, pode ser com um terapeuta. Nos grupos de encontro de Comunicação Não-Violenta, que promovemos em Porto Alegre, desenvolvemos esta habilidade tão preciosa: olhar para dentro de si com compaixão, mas sem proteger nossas ilusões; enxergar o pior, sem perder a fé em si mesmo. 

        O importante é sabermos que só podemos liberar estas dores quando conseguimos enxergá-las. É sugestivo também começarmos a cuidar de nossa própria dor e tristeza, sem a pressa habitual de querer se ver livre delas.

       Somente tendo fé em nós mesmos nos momentos em que ninguém mais tem, é que alcançamos a verdadeira autoconfiança. Existe sempre um elemento positivo escondido nas crises, que nos dá um sinal para nos aproximarmos mais da nossa própria essência. É assim que a vida está nos levando para mais perto de nós mesmos, do nosso conhecimento e sabedoria internos, mesmo que estejamos vivendo de acordo com os ditames do ego.

        O aprendizado está justamente em sabermos passar pelos momentos difíceis e tristes sem nos desesperarmos. Vivemos numa realidade constituída pelos opostos de luz e escuridão, alegria e tristeza. Por isso, os momentos difíceis não deixarão de ocorrer. Ao passarmos por eles, adquirimos maturidade, ou seja, serenidade. Serenidade é um modo sábio de encarar a vida, onde conseguimos manter a calma tanto diante da luz quanto diante da escuridão.

            Do mesmo modo que após a noite vem o dia, aos poucos vamos resgatando a fé e a confiança em nós mesmos até chegar ao ponto em que conseguiremos dar um passo para trás e dizer: “Chega”. Isto quer dizer que já nos encontramos fortes o suficiente para abandonar os pensamentos e emoções que nos envolviam e voltar ao nosso centro. Assim que dermos este passo para trás, encontramos novamente nossa própria força. 

    Aprender o quão importante é mantermos a fé e a confiança em nós mesmos, sob qualquer circunstância, permite que ocorra aquilo que chamamos de sincronicidade: uma importante coincidência de fatos, que favorecem a realização de nossas metas. Uma vez que conseguimos abrir esta fonte de poder, começamos a atrair pessoas e situações que reflitam o que precisamos saber para continuarmos seguindo em frente.

      

Autor: Tiago Bueno Camargo - tbcsol@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário